Tendência

Governo cancela antecipação da 2ª parcela do auxílio emergencial

Segundo o Ministério da Cidadania, a CGU recomendou a suspensão da antecipação do auxílio por causa do “alto número de requerentes ainda em análise".

Segundo o Ministério da Cidadania, a CGU recomendou a suspensão da antecipação do auxílio por causa do “alto número de requerentes ainda em análise”.

Nesta quarta-feira (22), o Ministério da Cidadania anunciou que o governo não poderá antecipar o pagamento da segunda parcela do auxílio emergencial no valor de R$ 600, que estava programado para ser efetuado hoje (quinta-feira, 23).

De acordo com a pasta, a Controladoria Geral da União (CGU) recomendou a suspensão da antecipação do auxílio por causa do “alto número de requerentes que ainda estão em análise”, o que funciona como um impedimento legal.

Além disso, conforme divulgado ontem (22), o aplicativo móvel Caixa Tem parou de funcionar devido ao alto número de tentativas de acesso. O app foi disponibilizado para os requerentes do benefício que receberam uma conta poupança digital da Caixa, já que não possuem conta bancária para receber o auxílio.

Até o momento em que este artigo foi escrito, alguns usuários relatavam que o Caixa Tem ainda não havia voltado a funcionar. Na imagem acima, podemos perceber que as reclamações aumentavam à medida que o dia de hoje (23) amanhecia.

1ª parcela do auxílio ainda depende de 12 milhões de análises de cadastros

Ao todo, a Caixa Econômica Federal recebeu mais de 45 milhões de cadastros. Até a quarta-feira (22), o banco havia liberado mais de R$ 22 bilhões do benefício para cerca de 31 milhões de cidadãos.

Para que o pagamento da primeira parcela seja concluído, o governo ainda precisa analisar mais 12 milhões de cadastros.

Inicialmente, o pagamento da segunda parcela estava previsto para começar no dia 27. Na última segunda-feira (20), a Caixa Econômica divulgou que iria antecipar o pagamento para esta quinta (23). O problema é que muitos cidadãos ainda não receberam nem a primeira parcela.

Em nota, o governo federal explicou que “por fatores legais e orçamentários, pelo alto número de requerentes que ainda estão em análise, estamos impedidos legalmente de fazer a antecipação da segunda parcela do auxílio-emergencial”.

Por esse motivo, o Ministério da Cidadania informou que seria necessária a abertura de crédito suplementar para garantir a antecipação da segunda parcela, assim como o pagamento da primeira.

O órgão ainda disse que solicitou ao Ministério da Economia que faça a “previsão para uma suplementação orçamentaria o mais rápido possível”, mas não divulgou uma previsão para o início do pagamento da segunda parcela.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar
Fechar